by Max Barry

Latest Forum Topics

Advertisement

2

DispatchFactbookGeography

by The Shogunate of Shikawa. . 10 reads.

Meio Ambiente

A nação de Shikawa é uma das mais diversas de Tellus nesse sentido, com os diversas regiões climáticas diferentes entre si, altitudes que podem ir desde o nível do mar até pelo menos 2000m de altura, além de abranger uma fauna muito distinta e única. Todos esses fatores ocorrem devido aos mais variados motivos diferentes, como pelo fator de o norte de Shikawa estar sitiado em cima da chama Latitude de Kitamura (北村の緯度 = Kitamura no Ido), ou seja, a linha que passa bem ao centro de Tellus, fazendo com que essa região não sofra tantas mudanças das estações. Além de tal, o fato das correntes máritimas do Nishi Kaiyō (西海洋 = Oceano Oeste) geram uma redução de temperatura na costa oeste da nação, enquanto ao sul, um clima mais quente ocorre uma vez que as correntes marítimas de Nakaumi (中海 = Mar Médio) não são tão fortes.

Águas de Shikawa


Nishi Kaiyō

O Xogunato de Shikawa é banhado por dois tipos de águas diferentes, sendo a primeira, as águas do Oceano de Nishi Kaiyō (西海洋 = Oceano Oeste), trazendo com este uma brisa que reduz a temperatura por toda costa oeste de Shikawa. Este oceano foi responsável pela chegada dos colonizadores de Tenshima, fazendo com que as cidades iniciais de Shikawa com total origem tenshin tenham surgido banhadas por tais águas, tendo como exemplo, a cidade de Kitamura(北村 = Vila Norte), a cidade de Sakura (桜 = Flores de Cerejeira) (localizada no estreito de Kakyoin), e claro, a capital shikawana, Shiroyama (白山 = Montanha Branca). Seu nome foi dado pelo escritor Nagatomo Kazuto, tendo sido criado durante a independência da nação, como parte do movimento nacionalista que surgia na época para tentar separar totalmente a identidade de Shikawa do antigo Império Tenshin, formando assim um nome que deixasse claro que Shikawa estava no centro, abandonando assim o antigo nome tenshin. Seu nome também se dá em por causa do oceano que separa Feorland de Luahari e Telephassa ser chamado de Azuma Kaiyō (東海洋 = Oceano Leste) pela população.

Nakaumi

Com um clima mais quente, e perfeito para qualquer turista que deseje passar as férias em praias, a costa sul do Xogunato é banhada pelo Nakaumi (中海 = Mar Médio), onde em por causa das correntes máritimas vindas de Azuma Kaiyō serem barradas por diversas ilhas de outros países antes de chegarem em Shikawa, o litoral do país localizado nessas águas acaba tendo seu próprio clima diferente do resto da nação, sendo chamado de Clima Nakaumi. Entre as cidades localizadas ao longo destas águas, é necessário citar principalmente a cidade Aozora (青空 = Céu Azul), localizada nas ilhas paradisíacas de Nantō (南島 = Ilhas do Sul). Ao longo da costa sul é onde se encontra as antigas cidades coloniais de Venardia que foram conquistadas por Tenshima, como Sendai (千体 = Milhares), Shōnin-shi(商人市 = Cidade dos Mercadores), e Udo, tendo como seus antigos nomes, San Lázaro, Nuevo Montserrat, e Paraíso. Nakaumi tem esse nome pelo fato do explorador Minamoto no Kakyoin ter notado que o mesmo fazia o intermédio entre os dois oceanos anteriormente citados.

Topografia


A topografia shikawana é marcada por seus grandes planaltos e montanhas no interior do país, ainda que no litoral seja extremamente comum terras planas. O motivo para a existência de tal elevação da nação feorlandina se dá pela sua formação através da deriva continental. É possível colocar a região entre Shikawa e Mizton como um subcontinente (Chamado pelos shikawanos de Subcontinente Sul (南亜大陸 = Nan'a Tairiku)), este subcontinente era há milhões anos apenas um continente-ilha, semelhante às ilhas de Ogênia. Contudo, com a deriva continental, o continente seguiu "andando" por Tellus, até que se chocou contra Feorland, criando uma barreira natural que separa Shikawa e Mizton de Alessandrian Empire, a Cordilheira Feorlandina chamada pelo povo de Shikawa como Kami no Shōheki (神の障壁 = Barreira de Deus).

Em Shikawa foi comum em um passado distante, datando de épocas anteriores mesmo aos colonizadores de Venardia, as atividades vulcânicas. Possivelmente um dos maiores cartões postais de Shikawa, e símbolo sagrado para seu povo, a Montanha Branca (白山 = Shiroyama), é um vulcão inativo, não tendo relatos de qualquer tipo de perturbação há pelo menos mil anos, com sua última explosão tendo sido um dos motivos para a queda dos povos Camaxtli. Contudo, o xogunato é de forma geral uma nação tropical, tendo neve apenas em alguns raros pontos da cordilheira feorlandina, fazendo com que o nome da Montanha Branca não venha pelo fato de ter neve em seu topo, mas sim, por causa das árvores da espécie Yukimokuzai (雪木材 = Árvore de Neve) estarem presentes no vulcão inativo, com esse tipo de vegetação tendo sofrido uma mutação genética, passando a ter coloração branca, tanto em suas folhas quanto eu sua madeira. As Yukimokuzai por algum motivo existem apenas em Shiroyama, não se espalhando para outros pontos do país além da montanha, nem de Tellus.

Clima


Dentro do Xogunato Shikawano existem um total de sete climas, Ocêanico, Oceânico Morno, Nakaumita, Nakaumita Morno, Tropical, Tropical de Altitude e Kitamural.

Oceânico

Tendo seu início na prefeitura de Sakura, se extendendo até o sul de Kita, também conhecido como kaiyōnin, o clima oceânico é gerado muito por causa das correntes marítimas trazidas pelo Nishi Kaiyō, e somado à sua temperatura elevada, faz com quê chuvas sejam frequentes e intensas durante o verão, tendo um índice pluviométrico alto de 2 mil milimetros anuais. A temperatura média varia entre 16°C e 28 °C, tendo uma amplitude térmica entre 5°C e 8 °C.

Oceânico Morno

O Oceânico Morno, é muito semelhante ao Oceânico, contudo por ser encontrado em altitudes mais altas, faz com que a temperatura seja menos quente que as presentes no clima kaiyōnin. A temperatura média varia entre 12°C e 24°C, com uma amplitude térmica de 1°C e 4°C.

Tropical

Clima do Interior de Shikawa, o clima tropical tem estações bem definidas, sendo estas uma chuvosa, e outra seca, sendo estas o verão e o inverno respectivamente. O clima tropical é caracterizado por temperaturas elevadas, tendo uma média de 18°C e 30°C, além de uma amplitude térmica de 7°C e 10°C. A precipitação entretanto é um pouco menor que a do clima oceânico, tendo 1,5 mil milimetros por ano.

Tropical de Altitude

Gerado pelos planaltos e montanhas presentes no Xogunato, o clima tropical como o próprio nome indica é semelhante ao tropical, tendo um índice pluviométrico igual. Contudo, em virtude de se encontrar em elevações acima de 700m, suas temperaturas são mais frias, tendo uma média de 16°C e 20°C, com uma amplitude térmica de 5°C e 8°C.

Nakaumita

Também chamado de nakaumita quente, o clima nakaumita é encontrado, como seu nome indica, em regiões banhadas pelo Nakaumi, ou Már Médio. Esse clima é definido por estações ainda mais marcadas do quê as outras, tendo um verão quente e seco, e um inverno com temperaturas mais baixas, além de sua umidade. Tendo temperaturas mais definidas, o clima nakaumita tem uma média de 25°C e 35°C em um período de estiagem, enquanto em um inverno úmido sua temperatura cai para 0°C e 10°C. A precipitação média anual não excede de 900 milimetros.

Nakaumita Morno

O nakaumita morno é semelhante ao anterior, mas assim como o oceânico morno suas temperaturas são mais baixas se comparadas ao nakaumita quente, tendo uma temperatura no verão entre 22°C e 32°C, enquanto no inverno pode chegar à -3°C e 7°C.

Kitamural

Devido à sua posição bem em cima da Latitude de Kitamura, o clima Kitamural é único e específico. Um aspecto expressivo é sua temperadura elevada, variando entre 27 °C e 37°C, e por receber diretamente luz solar durante o ano todo, o mesmo não vê sua temperatura cair em nenhum momento do ano, sendo de fato um clima mais quente. A precipitação do clima kitamural consegue ser o mais alto de toda Shikawa, tendo uma média de 3 mil milimetros anuais, sendo inclusive a região mais chuvosa de toda Tellus.

Biomas e Fauna


Dentro dos territórios shikawanos existem um total de 5 biomas, tendo uma diversidade enorme dentro destes, que acaba por atrair diversos cientistas de toda Tellus com os objetivos de explorar e estudar a biodiversidade presente dentro do Xogunato. Atualmente, os animais únicos de Shikawa acabaram por ser uma mistura de animais existentes no subcontinente desde a era Pré-Venardiana, somado à animais originários de Kitainan por causa fluxo de colonizadores tenshins que traziam diversos animais originários de Tenshima, fazendo com quê nações vizinhas que não são ex-colônias de Kitainan como Alessandrian Empiree Mizton acabem por ter durantes alguns períodos do ano aves originárias de Shikawa dentro de seu território devido à migração que estas acabam fazendo.

Shiroshinrin

Yukimokuzai

Este bioma está presente apenas em volta da Montanha Branca. O seu nome Shiroshinrin (白森林) ou Floresta Branca, se dá em por causa da coloração de sua plantação, onde as árvores, tanto a madeira, quanto suas folhas são de coloração branca, assim como as aves Tsuru, e as cabras presentes no local. A coloração das aves e das cabras já eram natural branca mesmo em outros locais, uma vez que essas aves e mamíferos são parte da fauna trazida de Tenshima. Contudo as cores das árvores, as famosas Yukimokuzai, são de coloração branca sem ter um consenso científico do motivo, alguns atestam que a mesma é assim devido às atividades vulcânicas no passado, fazendo com quê de alguma forma o código genético das árvores tenham se modificado, enquanto outros afirmam que tenha sido algum tipo de radiação por causa de um meteoro que caiu na região de Shikawa há pelo menos 6 mil anos atrás como estudos geológicos indicam. Independente da sua origem, a coloração diferenciada se comparada ao resto da vegetação da nação faz com quê todo um misticismo ocorra em volta da montanha, com os shikawanos tendo a Montanha Branca como um local sagrado.

Yukimokuzai

Yukimokuzai (雪木材 = Madeira da Neve) é a principal vegetação presente em Shiroshinrin. Podendo chegar até 30 metros, as yukimokuzai são as responsáveis pelo nome dado tanto ao Bioma quanto ao vulcão inativo conhecido como Montanha Branca. A árvore mais velha já encontrada tinha em torno de 400 anos, acreditando-se que o tempo de vida desse tipo de espécie seja em volta desse período. Como é de se imaginar, a absorção de luz solar das yukimokuzai são prejudicadas devido à sua coloração clara, fazendo com que a obtenção de nutrientes seja compensada devido ao solo fértil presente na montanha. De acordo com a tradição shikawana, as folhas da yukimokuzai podem ser utilizadas para rituais de exorcismo e purificação de ambientes familiares, sendo frequentemente utilizadas em templos tanto halkāistas quanto seishinistas.

Tsuru

Tsuru

Cabra

A ave nacional de Shikawa, o Tsuru é um animal que foi trazido por colonos tenshins pesquisadores que desejavam ver se a ave conseguiria se adaptar à um novo ambiente. A ave não só se adaptou, como se tornou a ave mais amada pelos shikawanos. Já em Tenshima a árvore tinha uma conotação sagrada, e após a independência shikawana, a mesma se tornou um dos três animais nacionais do país, assim como a Raposa e a Tartaruga-Dragão, sendo associada aos céus, o amor, longevidade e imortalidade. O seu comprimento pode atingir os 150 centímetros e o seu peso pode variar entre os 7 e o os 10 quilogramas, vivendo em média até aos 30 anos.

Cabra ou Bode

Cabra ou Bode, conhecido pelos shikawanos como Yagi (ヤギ), é o outro animal presente em Shiroshinrin, vivendo pacificamente ao lado dos Tsurus, aproveitando a alta elevação presente no local para ficar segura com relação aos predadores que existem em outras regiões do país. As cabras não são originárias do subcontinente, tendo sido trazidas inicialmente por colonizadores de Venardia como gado, e eventualmente pelos próprios tenshins, sendo o chifre considerado um símbolo de virilidade pelo povo de Shikawa, além de ser uma forma de representar o deus Bafometto (バフォメット) presente em diversas histórias das várias religiões da nação. Sua expectativa de vida é entre 15 e 18 anos em média, tendo de 20 até 140 quilos, com uma altura até o ombro entre 41 e 80 centímetros.

Nettai

O Bioma Nettai (熱帯 = Tropical) é uma adaptação para Nextlahuai, com seu nome sendo uma das poucas palavras estrangeiras que receberam kanji. O bioma é tipicamente marcado por suas florestas densas e sua extensa biodiversidade, tendo diversos animais e vegetações, sendo esse bioma em especial o responsável por atrair diversos pesquisadores de outras países. O Nettai é o maior bioma da Shikawa, com o Nettai Kōdo (熱帯高度 = Tropical de Altitude), sendo uma espécie de variação do mesmo, ainda que um bioma diferente. Devido à sua vegetação numerosa e grande, se faz difícil um mapeamento e descoberta completa de todas espécies presentes neste, com espécies novas sendo constantemente descobertas por biólogos, tendo utilidades medicinais ainda desconhecidas. Acredita-se que esses animais e flora deste bioma sejam principal motivo do desenvolvimento de boa parte da cultura e religião dos nativos, onde por exemplo, o cacau é considerado uma fruta símbolo para os povos Titlákán. Entretanto, das espécies animais presentes dentro deste bioma é possível listar alguns seres como Jagā (ジャガー = Jaguar), Manatī (マナティー = Peixe-bôi), Iruka (イルカ = Boto), Kongōinko (コンゴウインコ = Arara), Hāpī (ハーピー = Harpia), Feōrandobaku (フェオーランドバク = Anta Feorlandina), ainda que dois deles sejam mais diferentes, por não existirem em outras regiões de Tellus, sendo o Azuma no Ōkami (東の狼 = Lobo de Azuma) e os Peco Peco (ペコペコ)

Azuma no Ōkami

Peco Peco

Azuma no Ōkami

O Lobo de Azuma (東の狼) é um ser que vive nas grandes florestas de Nettai, sendo uma espécie animal carnívora, da qual devido à sua coloração laranja, a maior parte das espécies não consegue distinguir as cores do lobo com as plantas devido às suas limitações de vista, fazendo com que esse tipo de animal além de ter um tamanho alto de 1,90m, e um peso médio de 155kg, com a soma de sua velocidade à sua camuflagem, seja um dos predadores mais efetivos dentro da floresta, tornando-se um dos símbolos de Nettai.

Peco Peco

O Peco Peco (ペコペコ) é uma arve herbívora que vive nas floresta de Shikawa, tendo uma dieta baseada em frutas como cacau, guaraná, e fruto-mel. Apesar de terem asas, esse tipo de ave não consegue voar, tendo compensado tal fator com sua alta velocidade na qual consegue ser equivalente e até superior à cavalos, utilizando dessa vantagem para despistar predadores, além de serem extremamente complexos de serem domados, mas uma vez domados, se tornam ótimas montarias, fazendo com que no passado diversos povos nativos o tenham usados com essa finalidade. Sua altura gira em torno de 2m, com um peso em média de 175kg.

Nettai Kōdo

O bioma de Nettai Kōdo (熱帯高度 = Tropical de Altitude) é um tipo de bioma extremamente parecido com o Nettai, inclusive tendo a fauna anteriormente citada no bioma anterior. Contudo, devido ao seu clima mais fresco, e a dificuldade de locomoção devido aos morros e montanhas no local. Esse tipo de terreno e temperatura faz com quê algumas espécies sejam mais comuns nesse terreno mais propício para a caça ou sua sobrevivência, ainda que claro, é possível ver membros dessas espécies em outros biomas por perto. Sendo seus dois principais exemplos, o Kuroi Jakkaru (Chacal Negro = 黒いジャッカル), e o Mehuatoran no Aruse (Alce de Mehuatlán =メフアトランのアルス)

Mehuatoran no Aruse

Kuroi Jakkaru

Kuroi Jakkaru

O Kuroi Jakkaru (Chacal Negro = 黒いジャッカル) é uma espécie típica deste bioma. Sua pelugem escura faz com quê o mesmo seja um animal noturno, que vive principalmente da caça de animais pequenos, ou da alimentação baseada em carniças. Esse tipo de chacal tem algo em particular diferente de outros chacais de Tellus, onde o mesmo é extremamente hábil em escalação de morros e montanhas. Seu peso pode variar entre 5,4 e 10 quilos, seu comprimento se dá entre 60 e 90 centímetros, enquanto sua altura geralmente se dá entre 30 e 48 centímetros. O Chacal Negro é muito popular na cultura dos povos nativos de Shikawa, estando presente na mitologia Titlakán onde o mesmo é uma forma de representar o deus da morte, Xolotl. Com a chegada dos colonizadores de Venardia, a sua relação com a morte seguiu existente devido à sua pelugem escura, com os antigos colonizadores considerando o avistamento de chacais negros como mal presságio para morte de algum familiar.

Mehuatoran no Aruse

O Mehuatoran no Aruse (Alce de Mehuatlán =メフアトランのアルス) é uma espécie única da região entre Shikawa e Mizton, no qual o mesmo é um animal vegetariano. Seus grandes chifres servem como proteção, mas acabam se tornando um problema para locomação em algumas partes do bioma, fazendo com quê o mesmo viva comumente nas partes mais altas do mesmo, onde a presença de árvores é menor. Essa arma poderosa em sua cabeça é comparável à seus cascos, que servem como proteção para o animal que o utiliza para se defender de predadores. Esta espécie foi muito caçada tanto por colonizadores venárdios quanto por tenshins devido à sua pele muito utilizada em vestimentas, se tornando uma espécie em risco de extinção em alguns momentos, chegando a ter menos de 300 indivíduos estimados dentro das florestas ao fim dos anos 80. Todavia, após intensos esforços do xogunato durante a década de 1990, esta espécie pôde se recuperar, e atualmente estimasse que se tenham por volta de 5 mil Alces de Mehuatlán vivendo dentro de Shikawa. Seu nome, se dá a Cidade Perdida de Mehuatlán, pois quando os primeiros colonizadores descobriram as ruinas da mesma, estas estavam extremamente populadas por essa espécie, que utilizavam das ruinas como habitat natural.

Nakaumita

O Bioma Nakaumita (Nakaumi = なかうみ), ou Bioma do Mar Médio, é característico de regiões banhadas pelo mar com o mesmo nome. As espécies presentes nesse bioma são famosas no número todo, principalmente pois nesse bioma se tem a presença em maioria de espécies de aves e mamíferos, além de árvores que geram frutos muito utilizados na culinária dessa região. Entre as árvores existem duas principais, Oribeira (Oliveira = オリベイラ) e os Kokonattsu no Ki (Árvore de Coco = ココナッツの木). Das espécies animais é importante citar algumas, tendo dois tipos de raposa, a Kitsune (狐), e a Kiiroi Kitsune (Raposa Amarela = 黄い狐). Existem também duas espécies semelhantes aos Peco Peco, sendo o Guran Peco (Gran Peco = グラン・ペコ), uma versão maior e semelhante do Peco Peco comum, e o Shōkōbō (Chocobo = ショーコーボー), uma espécie de primo do Peco Peco. Por fim, é necessário citar dois canídeos comuns nessa região, os Jakkaru (Chacal = ジャッカル), e o Kogane no Ōkami (Lobo de Ouro 黄金の狼), uma espécie da família canis única da região.

Kiiroi Kitsune

Kogane no Ōkami

Kiiroi Kitsune

A Kiiroi Kitsune (Raposa Amarela = 黄い狐) é uma espécie muito amada pelos shikawanos devido a sua aparência inofensiva e amável em por causa de suas orelhas excepcionalmente grandes, patas peludas, e seu corpo pequeno, ainda que tais características sejam adaptações ao bioma nakaumita. A Raposa Amarela assim como os Peco Peco eram animais de estimação utilizados pelos povos nativos, principalmente pelo povo que vivia no litoral de Shikawa antes da chegada dos venárdios, os Caixará. Na religião, essa criatura era relacionada à deusa da vida, Kuxtal. Essa espécie acaba por ser onívora, se alimentando de invertebrados e pequenos vertebrados, assim como frutas e tubérculos. A altura de uma raposa amarela se dá por volta de 20 centímetros, se tem um comprimento entre 30 e 41 centímetros, assim como um peso de 0,68 até 1,6 quilos. Mesmo na Shikawa moderna tal animal segue muito comum na cultura popular shikawana, com a protagonista do anime de comédia Oshiri Kitsune no Seikatsu (Vida de uma Raposa Vagabunda = お尻キツネの生活), Jun Kokoro, sendo dessa espécie.

RawReport